Parcerias

Linha de pesquisa Coordenador Projeto Resumo
Saúde urbana e ambiente alimentar
Projeto internacional com coordenação nos USA (Ana Diez Roux).
Pesquisador UFOP:
Mariana Carvalho de Menezes
SALURBAL - Saúde Urbana para América Latina INTERNACIONAL Escola Dornsife de Saúde Pública da Universidade Drexel e parceiros de toda a América Latina e dos Estados Unidos trabalharão juntos para estudar como os ambientes urbanos e as políticas urbanas impactam a saúde dos moradores de cidades da América Latina. Os resultados servirão para subsidiar políticas e intervenções para criar cidades mais saudáveis, mais equânimes e mais sustentáveis em todo o mundo. Iniciado em abril de 2017, o projeto de cinco anos, denominado SALURBAL ou "Salud Urbana en América Latina" (Saúde Urbana na América Latina) é financiado pelo Wellcome Trust como parte da iniciativa ?Our Planet, Our Health?, que prioriza pesquisas que investigam as relações entre o meio ambiente e a saúde humana. As formas como as cidades são construídas, organizadas e governadas têm implicações importantes para o bem-estar humano, saúde e sustentabilidade ambiental. Entretanto, faltam evidências sobre as melhores políticas urbanas para promover saúde, equidade em saúde e sustentabilidade ambiental. A América Latina oferece uma oportunidade única para estudar as relações entre o ambiente urbano, a saúde e a sustentabilidade. Está entre as regiões mais urbanizadas do mundo, com 80% da população residindo em cidades de tamanhos variados. Além disso, a região está frequentemente na vanguarda de políticas urbanas inovadoras com possíveis impactos na saúde e no meio ambiente. Financiado pelo WELLCOME TRUST.
Intervenção nutricional
Aline Cristine Souza Lopes. Pesquisador UFOP:
Mariana Carvalho de Menezes
Avaliação da Implantação e da Efetividade de Programa de Promoção da Alimentação Adequada e Saudável na Atenção Básica à Saúde No Brasil, as doenças crônicas constituem o problema de saúde com maior magnitude, correspondendo a cerca de 70% das causas de morte. Esse cenário exige políticas públicas que subsidiem estratégias de saúde diferenciadas, que garantam, além de ações assistenciais, ações de educação em saúde que oportunizem estilos saudáveis de vida à população, sobretudo relacionados à alimentação no âmbito da Atenção Básica à Saúde (ABS). A estruturação de atividades coletivas de alimentação e nutrição na ABS acarretará em sua maior efetividade, e associado à avaliação ao longo do processo, poderá produzir indicadores e melhorias na saúde da população. Diante disto, este projeto objetiva avaliar a implantação e a efetividade do Programa de Promoção da Alimentação Adequada e Saudável (PAAS) conduzido por profissionais da ABS de Belo Horizonte e de Nova Lima, Minas Gerais. O Programa, com abordagem coletiva, inclui estratégias educativas, como oficinas e intervenções no ambiente, intercaladas por painéis informativos. Será utilizado o delineamento de ensaio comunitário controlado randomizado, com abordagem quantitativa e qualitativa em amostra aleatória de grupos conduzidos nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e polos do Programa Academia da Saúde (PAS). Os serviços serão randomicamente alocados em grupos intervenção e controle. O estudo será realizado em quatro fases: 1) Capacitação dos profissionais da ABS para implantação do PAAS e identificação dos grupos que serão avaliados; 2) Linha de base - investigação do perfil dos participantes do PAAS por questionário pré-testado, que incluirá variáveis sociodemográficas, consumo e hábitos alimentares, condições e percepção de saúde, participação em atividades de promoção da alimentação saudável e antropometria; 3) Acompanhamento e apoio ao desenvolvimento do PAAS; 4) Avaliação da implantação e da efetividade do PAAS - será utilizado o modelo lógico, com reaplicação do questionário quantitativo para verificar a evolução, compreensão e a satisfação dos usuários com o PAAS. Para profissionais e gestores será realizada a triangulação dos dados por análise documental, entrevista semiestruturada e grupo focal, buscando compreender a percepção sobre o Programa e a sua aplicabilidade ao serviço. Para os dados quantitativos serão realizadas análises descritivas, univariadas e multivariadas; e para os dados qualitativos, a análise de conteúdo..
Consumo alimentar e estado nutricional da população
Aline Cristine Souza Lopes. Pesquisador UFOP:
Mariana Carvalho de Menezes
Consumo de Frutas e Hortaliças em Serviços de Promoção da Saúde de Belo Horizonte, Minas Gerais: Fatores Associados e Intervenções Nutricionias Introdução: O consumo de frutas e hortaliças (F&H) se associa à carga de doenças e à Segurança Alimentar e Nutricional (SAN) dos indivíduos, sendo fundamental o conhecimento de seus determinantes para elaboração de intervenções efetivas. Objetivo: Avaliar intervenções de incentivo ao consumo de F&H, pautadas no modelo transteórico e na sua dinâmica de comercialização, em Serviços Públicos de Promoção da Saúde de Belo Horizonte-MG, mediante a investigação de fatores individuais/familiares/ambientais. Métodos: Realizar-se-á ensaio comunitário controlado randomizado em quatro Serviços de Promoção da Saúde denominados Academias da Cidade com usuários responsáveis pela compra e/ou aquisição de alimentos. Será realizada determinação dos fatores associados ao consumo de F&H nos domínios individual, familiar e ambiental. No primeiro, serão investigados dados socio-econômicos, história e percepção de saúde, atividade física, consumo e hábitos alimentares (foco ingestão de F&H), comportamento alimentar para consumo de F&H mediante aplicação do Modelo Transteórico, e realizadas medidas antropométricas e de composição corporal. No domínio familiar serão investigadas as condições de SAN, as representações sociais de F&H obtidas por grupos focais, perfil de compras de alimentos e técnicas empregadas na manipulação e armazenamento. No ambiental serão identificados os locais de comércio de F&H das áreas de abrangência dos serviços, avaliando condições de comércio, produtos comercializados, representações sociais dos varejistas e existência de ações coletivas de incentivo do consumo de FH. Em seguida, serão conduzidas, durante seis meses, intervenções nutricionais mediante a execução de oficinas educativas no âmbito individual/familiar/ambiental. A efetividade da intervenção será avaliada pela reaplicação dos instrumentos e pelas representações sociais. Os dados qualitativos serão analisados por análise de conteúdo e os quantitativos por análise univariada e multivariada